30
SEX
31
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG

New Order - Music Complete

New Order - Music Complete - 2015
Review
New Order Music Complete | 2015
Inês Pinto da Costa 03 de Novembro, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Beach House – Thank Your Lucky Stars

Battles - La Di Da Di
Sempre ouvi dizer que o bom filho a casa torna. E assim sendo, como qualquer mãe que se sente feliz quando o filho chega ao domingo para almoçar em casa com a nora e os netos, sinto um orgulho enorme e vontade de gritar aos vizinhos esta grande novidade: os New Order voltaram a casa.

New Order começou como um projeto de 3 homens abandonados que, depois de assistirem à morte de Ian Curtis (e, por isso, terem visto Joy Division a chegar ao fim), sentiram uma vontade enorme de não se darem a si mesmos por terminados. Escusado será dizer que o que surgiu como ‘’improviso’’ se tornou rapidamente numa prova mais do que válida da genialidade de Bernard Sumner, Peter Hook, Stephen Morris e também de Gillian Gilbert (namorada de Morris, que se juntou a estes assumindo o controlo das teclas e da guitarra). Este novo começo foi um marco nos anos oitenta, tão definido pelo surgimento da Dance Music em Manchester, e desde o lançamento do primeiro álbum, Movement, que os New Order marcaram posição, sendo estes os felizes culpados pela invenção do Dance Rock- e é tão bom concluir que este ainda permanece fiel a si mesmo nos trabalhos da banda, 35 anos depois.

Chega então o décimo álbum de New Order, Music Complete, desta vez sem a presença de Peter Hook. Music Complete é uma onda de energia perigosa com contra-indicações: ou nos transporta para a pista de dança mais próxima ou transforma qualquer que seja o sítio onde estamos numa pista de dança.

A primeira faixa obriga, desde o início, os pés a seguirem a batida (o que faz com que a melhor forma de descrever a música seja o título, perfeitamente ‘’Restless’’). Numa passagem por "Singularity" e "Plastic", um excelente single de Music Complete, é estabelecida a ponte perfeita para um dos melhores momentos do álbum: “Tutti Frutti". Esta faixa conta com a presença fulcral de Elly Jackson (mais conhecida por La Roux) que canta o refrão mais contagiante e feliz de todo o disco: You've got me where it hurts/But I don't really care/Cause I know I'm OK/Whenever you are there (estará o problema amoroso de Blue Monday resolvido?).

Continuando na viagem pela pista de dança, desta vez acompanhados por Iggy Pop, “Stray Dog” é capaz de ser a música mais calma, mantendo sempre a batida forte e tão típica de New Order. “Academic” é a excelente banda sonora para um amor complicado e “Nothing But A Fool” soa a um hino à juventude. “The Game” é, de facto, o jogo entre o desejo e a realidade e, por fim, Superheated é a derradeira confissão de um apaixonado rendido, interpretado por Brandon Flowers, e um perfeito final de noite.

Music Complete contraria o caminho de tantas bandas de longo historial que se arruínam ao longo dos anos. Tal só se pode dever às qualidades inegáveis destes tão imponentes músicos que demonstram a cada lançamento uma sabedoria equivalente ao seu talento: inquestionavelmente grande. As comparações são inevitáveis e surgem em muitas bocas, mas New Order não é Joy Division- nunca foi (e, cá entre nós, ainda bem que assim é- já pensaram no que seria da “New Dawn Fades” com ritmo eletrónico e sintetizadores?). New Order é uma excelente banda, capaz de surpreender aqueles que se atrevam a explorá-la. E como bons filhos que são, é sempre bom vê-los a voltar a casa.
por
em Reviews
Bandas New Order

New Order - Music Complete
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?