20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER

SUMAC - The Deal

SUMAC - The Deal - 2015
Review
SUMAC The Deal | 2015
José Angélico 23 de Fevereiro, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

All We Are - All We Are

Father John Misty - I Love You, Honeybear
E eis que chegou a estreia dos SUMAC, eles do ex-Ísis e também membro dos Mamiffer e Old Man Gloom, Aaron Turner. Mas também contam com baterista dos Baptists, Nick Yacyshyn e o Russian Circles, Brian Cook, que não faz oficialmente parte da banda, mas que fez nas gravações a parte do baixo. Reunindo-se de pessoal tão qualificado era óbvio que não poderia falhar a fazer o que se esperava deles: misturar o pós-metal que os Ísis sempre fizeram com pitadas de Sludge e Doom. O que acontecia com Isis mantêm-se aqui, mas talvez haja mais experimentação e o drone seja maior e mais arrastado (não tivesse sido o álbum gravado por Mell Dettmer, que trabalha com Sunn O))) e Earth), o que não é propriamente mau.

O álbum, como acontece com bandas deste tipo, não tem muitas canções apesar de não ser propriamente pequeno pois cada uma delas tem vários ambientes e percorre vários caminhos. A excelente “Hollow King”, por exemplo, tem lá dentro 3 canções totalmente díspares entre si. A excepção é “Spectral Gold” um bocado mais curta que as restantes, que é apenas uma pequena apresentação do que irá ser o álbum. “Radiance of Being” é a conclusão e como o amainar depois da tempestade e intensidade que foi o álbum.

Mas todas elas conseguem fazer brilhar qualquer um dos instrumentos que se tocaram nas gravações, incluindo a voz de Aaron Turner, que a grunhir está no ponto até onde eu consigo suportar a ouvir o metal, o que também acontece porque tal como fazia nos Ísis, poucas vezes a deixa soltar.

Para quem gosta deste tipo de música é algo a não perder, embora não tenha algo de verdadeiramente inovador. Mas também não era isso que se estava à espera (eu pelo menos não o estava) e convenhamos que é uma estreia bastante melhor que a que alguns dos ex-companheiros tiveram a acompanhar Chino Moreno nos Palms, não é que fosse mau, mas demasiado Soft para o que se poderia esperar deles. O álbum vale por todo os seu conjunto, mas a destacar alguma canção será a já anteriormente referida, “Hollow King” e também a canção que dá título ao álbum.
por
em Reviews
Bandas Sumac

SUMAC - The Deal
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?