6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
Cut Copy
24
QUA
Cut Copy
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
Mono + A.A. Williams
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM

William Basinski - A Shadow In Time

William Basinski - A Shadow In Time - 2017
Review
William Basinski A Shadow In Time | 2017
Rafael Baptista 31 de Janeiro, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Cloud Nothings - Life Without Sound

Code Orange – Forever


 

Depois de um ano 2016 repleto de tributos a uma das maiores figuras de culto internacionais, eis que chega, à entrada do novo ano, aquele que é provavelmente o tributo orfeico mais sublime e igualmente fúnebre até à data. Sem que sejam empregues samples ou qualquer outra fonte sonora vinda de Bowie, algo invoca a sua presença a cada momento que passa. E não será essa a máxima conquista de uma composição (seja qual for o género) quando esta se trata de uma homenagem?

William Basinski é um artista que compõe o som base das suas memórias com tape loops envelhecidos, regados em reverb e em constante auto desconstrução, retirando-os de qualquer conjuntura temporal. Descobriu o seu signature method ao tentar converter cassetes antigas para formato digital, mas que, dado o seu estado decrépito, se iam desintegrando ao serem gravadas. Assim nasceu o seu trabalho mais glorificado, The Desintegration Loops (2002 – 2003), sentimentalmente ligado aos acontecimentos do 11 de Setembro, tanto pela música como pela arte visual que acompanha cada parte – I, II, III, e IV. É com o mesmo sentimentalismo que 13 anos depois Basinski nos dá a conhecer A Shadow In Time.

O primeiro tema de A Shadow In Time, com o mesmo nome, teve a sua estreia ao vivo coincidentemente a pouco menos de uma semana da morte de Bowie, e nas semanas que se seguiram “For David Robert Jones” – que tem de base um loop que poderia fazer parte de um eventual The Desintegration Loops V – surgiu como a sua metade inseparável. Etéreo e fúnebre assim começa a o segundo tema, num loop ruinoso e vasto composto do que parecem ser sintetizadores a encenar coros – coros que cantam os momentos finais de uma vida, enquanto o que dela resta ascende a um hipotético lugar divino. À passagem dos 6 minutos eis que entra, deslizando confortavelmente sobre o manto celestial de sintetizadores, um saxofone a pingar reverb por todo o lado, que o próprio Basinski diz parecer-se com “Subterraneans” b-side de Low, e que por isso se tornou a sua elegia a Bowie. A peça não se desintegra na totalidade, mas evapora-se, vai-se sentindo uma distância cada vez maior, todo é cada vez menos palpável, até que por fim já não resta qualquer som. O simbolismo deste final é qualquer coisa de desolador.

Se o segundo tema é música no seu estado mais defunto, o primeiro é como que um interlúdio estritamente necessário as sensações por ele provocadas. Começa como a maioria das composições de Basinski, instrumentos – neste caso de cordas – com pitch alto, e sem aparente forma vão colidindo sonicamente, repelindo-se e atraindo-se, enquanto quase impercetivelmente novos sons, novos silêncios, novas batalhas sónicas vão ocupando o seu lugar num caos organizado de uma beleza incrível, tudo é luz. O som vai se densificando, a tensão aumenta tenuemente, nem tudo é tão claro como à uns momentos atrás, a beleza vai dando lugar à incerteza. Enquanto esta troca amarga se vai dando, o som vai-se descomprimindo, aos poucos tudo vai desaparecendo. À passagem do minuto 17, quando parece que estamos prestes a ouvir o último suspiro do tema, ouve-se um piano ao fundo e tudo muda. Se ainda era percetível alguma réstia luz, agora tudo é negro. É desolador o cenário, de repente encontramo-nos num sítio onde tudo é tarde demais, já não há volta a dar, o tempo foi petrificado pelo desgosto, e nada do que possa ser feito vai fazer diferença, não existe futuro porque o tempo acabou, apenas resta este piano melancólico e abatido, preenchido com a desolação de quem ficou e viu Bowie partir.

O trabalho de Basinski, como toda música ambiente, fornece um infindável número de interpretações não solucionadas pela sua subjetividade intrínseca, podendo ele ser um oportunista e estar a aproveitar-se da memória de Bowie para seu favor. Mas eu acredito que William é um poeta, e que com A Shadow In Time – com duas das mais belas e sentimentais composições dos últimos anos – conseguiu manifestar sem uma única palavra, aquilo que muito outros tentaram com livros completos.
por
em Reviews


William Basinski - A Shadow In Time
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?